Atividade Física na Terceira Idade

Existem inúmeras evidências científicas apontando os benefícios da atividade física na terceira idade para a manutenção da capacidade funcional, imunológica e da autonomia durante o processo de envelhecimento.

Se os benefícios da atividade física na terceira idade foram percebidos e comprovados em tempos comuns, o que dizer desse período da pandemia de Covid-19, sobretudo considerando que os idosos são integrantes do grupo de risco?

Quer saber mais sobre os benefícios da atividade física na terceira idade?

Abaixo, vou trazer alguns dados para você ficar bem informado e ajudar a divulgar os fatos para seus amigos e familiares da melhor idade.

O que é envelhecimento

Antes falar sobre os benefícios da atividade física na terceira idade, vamos definir o que é envelhecimento e o que nos levou a entrar nesse assunto.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), envelhecimento é o “prolongamento e término de um processo representado por um conjunto de modificações fisiomórficas e psicológicas ininterruptas à ação do tempo sobre as pessoas”.

Ainda segundo a OMS, todo indivíduo com 60 anos ou mais é considerado idoso, mas é importante considerar que apenas a idade cronológica não é um marcador preciso para determinar as alterações que acompanham o envelhecimento, pois podem existir grandes variações dependendo das condições de saúde, do nível de participação na sociedade e da independência de cada sujeito.

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que atualmente no Brasil, a faixa etária composta pela terceira idade, possui pouco mais de 30 milhões de pessoas, o que representa mais de 14% da população brasileira. As projeções populacionais do órgão indicam que esse contingente ultrapassará os 42 milhões em 2030, de modo que o país será o sexto com a população mais idosa do mundo, ou seja, estamos ficando “mais velhos”.

Alterações fisiológicas do processo de envelhecimento

Agora que sabemos o que é envelhecimento, podemos exemplificar algumas importantes alterações fisiológicas do processo de envelhecimento:

  • Redução da força;

  • Diminuição do volume muscular;

  • Aumento do tecido não contrátil (gordura e tecido conectivo) no músculo;

  • Redução do número de unidades motoras;

  • Redução da capacidade aeróbia.

Observando essas alterações fisiológicas do processo de envelhecimento, percebemos que o idoso vai se tornando cada vez mais frágil e vulnerável fisicamente com o passar dos anos, aumentando o risco de acidentes que podem deixá-los dependentes ou até mesmo levá-los à morte.

Atividades físicas na terceira idade

A prática de atividades físicas na terceira idade tem se tornado uma estratégia simples, barata e eficaz tanto para diminuir os custos relacionados a saúde quanto para melhorar a qualidade de vida. 

No entanto, isso não deve ser considerado como um substituto de outras terapias recomendadas por especialistas da área de medicina e também é importante ressaltar que qualquer atividade física sempre deve ter acompanhamento de um profissional de educação física.

As atividades físicas induzem várias adaptações fisiológicas e psicológicas, tais como: aumento do volume de oxigênio máximo, maiores benefícios circulatórios periféricos, aumento da massa muscular, melhor controle da glicemia, melhora do perfil lipídico, redução do peso corporal, melhor controle da pressão arterial em repouso, melhora da função pulmonar, melhora do equilíbrio e da marcha, menor dependência para realização de atividades diárias, melhora da auto-estima e da autoconfiança e significativa melhora da qualidade de vida.

A prática regular de atividades físicas com os idosos – particularmente os exercícios nos quais se sustenta o próprio peso e os exercícios de força – promove maior fixação de cálcio nos ossos, auxiliando na prevenção e no tratamento da osteoporose. Ainda é capaz de aumentar a força e a endurance muscular, o equilíbrio e a flexibilidade, o que consequente, diminui a incidência de quedas, fraturas e suas complicações. É importante destacar que os idosos portadores de osteoartrose também podem e devem praticar atividade física regular, desde que adaptadas à sua condição.

Os benefícios são tantos que até mesmo entre os pacientes de doenças neurológicas como Parkinson, esclerose múltipla e Alzheimer, houve uma percepção da diminuição das taxas de mortalidade com o treinamento de equilíbrio, caminhadas e exercícios simples de força.

Então já sabe, a prática de atividades físicas é fundamental para a manutenção da saúde da terceira idade.

Mobilize-se! Colabore para que os idosos de sua família possam ter uma qualidade de vida excelente, indicando o acompanhamento de um profissional de educação física.

Mas… Enquanto não é possível sair de casa, algumas estratégias precisam ser pensadas para garantir o movimento e não sair do isolamento tão necessário para o enfrentamento da Covid-19.

Atividade física em casa

Com a pandemia de Covid-19, estamos todos aprendendo a fazer nossa atividade física em casa e o mesmo pode acontecer com os mais velhos. 

Mais do que nunca, agora é hora de ficar em movimento

No entanto, para eles, é essencial que a prática de atividades não ultrapasse os limites do corpo para não acometer a coluna ou prejudicar a mobilidade, por exemplo.

Nada de deixar que os idosos fiquem o dia todo deitados na cama ou sentados no sofá em frente à televisão, pois isso pode ocasionar dores na coluna e na lombar, além de causar prejuízos ao aspecto emocional. A inatividade contribui para o aumento nas taxas de queda, de obesidade e doenças cardíacas.

Mas como é preciso que eles fiquem em casa, oferecer alternativas atrativas pode ser uma saída para equilibrar essa difícil equação.

A dificuldade é tanta que até mesmo a OMS listou algumas dicas para que consigamos passar por esse período turbulento com mais serenidade, e as atividades físicas, de relaxamento e lazer, dentro de casa, estão entre elas.

Em tempo de isolamento, os exercícios ajudam também a passar o tempo, liberam hormônios do prazer, como endorfina e serotonina, melhoram a qualidade do sono, aumentam a disposição, ajudam na manutenção da imunidade, minimizam aflições, entre outros inúmeros benefícios.

No entanto, não tente criar uma rotina de treino sem o acompanhamento de um educador físico e sem consultar os médicos de rotina como cardiologista, ortopedista ou geriatra. Com o aval médico, entre em contato comigo através do meu perfil @joseduquefilho, para possamos avaliar as melhores estratégias e colocar os mais experientes em movimento.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.